23 junho 2012

PARAGUAI REPETE HONDURAS COM "GOLPE CONSTITUCIONAL" NA AMÉRICA DO SUL - Clóvis Rossi


É tão chocante o afastamento do presidente Fernando Lugo que permite a Alí Rodríguez - um político das entranhas do "chavismo", que não é exatamente um modelo acabado de democracia - dar uma aula de democracia.

"É uma nova modalidade de golpe de Estado supostamente constitucional", disparou Alí, agora secretário-geral da Unasul, ao deixar o palácio do governo em Assunção, minutos após a destituição de Lugo.

Não há como discordar. Primeiro, porque não há base suficiente para montar um processo de impeachment. Acusar o presidente deposto de responsável pelas 17 mortes ocorridas no choque entre camponeses e forças de segurança ou é uma precipitação ou evidente exagero.

Se houve abuso, o presidente seria de fato responsável, em última instância, mas, antes, seria preciso apurar o que ocorreu, o que o próprio Fernando Lugo determinou ao criar uma comissão de sindicância.

Segundo, porque o julgamento foi um fuzilamento sumário. Tanto José Miguel Insulza, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, como Michael Shifter, presidente do Diálogo Interamericano, coincidiram em dizer que, se bem a instalação do processo seguiu o marco constitucional paraguaio, não houve respeito ao direito de defesa.

"Vai contra o espírito da democracia", diz Shifter, no que acaba indiretamente concordando com o "chavista" Alí Rodríguez.

Na prática, guardadas as proporções, volta-se ao cenário Honduras: os oposicionistas que afastaram o presidente Manuel Zelaya dizem que estavam apenas defendendo a Constituição.

Os países latino-americanos, em conjunto, gritaram "golpe", suspenderam Honduras da OEA e adotaram outras sanções.

Repete-se agora a rejeição, não pela OEA, que não teve tempo de se reunir, mas pela Unasul, mais ágil, que enviou parte de seus chanceleres, inclusive o do Brasil, a Assunção, para acompanhar a votação do impeachment.

No caso Honduras, o golpe acabou sendo absorvido, com o passar do tempo, ainda mais que pouco depois dele deu-se a eleição, prevista antes do afastamento de Zelaya, e assumiu Porfirio Lobo, hoje já não mais contestado no restante do mundo.

No Paraguai, a eleição se dará em abril, dentro portanto de nove meses, o que insinua um período de turbulência especialmente nas relações internacionais do país.

Para o Brasil, a grande diferença é que Honduras está longe demais, ao passo que o Paraguai é sócio no Mercosul e na usina de Itaipu.

Por isso mesmo, o Brasil foi decisivo para evitar tentativas anteriores de golpe, mas de golpe convencional. Não conseguiu lidar agora com um "golpe supostamente constitucional".

Extraído do sítio Folha de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário