01 julho 2012

ESTADOS UNIDOS ESTÃO SE TORNANDO MUITO PARECIDOS COM A GRÉCIA - Peter Morici

Candidatos fazem fila para entrar numa feira de trabalho em 11 de junho de 2012, em Nova York. 400 chegaram cedo e 1.000 eram esperadas até o fim do dia. (John Moore/Getty Images)
Os norte-americanos devem prestar atenção, os Estados Unidos estão se tornando muito parecidos com a Grécia e poderiam facilmente acabar do mesmo jeito.

Os problemas da Grécia começaram com um setor privado não competitivo instigado por políticas de mercado trabalhistas não realistas e uma moeda única com a Alemanha. As exportações se tornaram muito caras, as indústrias nacionais não podiam competir adequadamente com as importações, o setor privado cresceu muito lentamente e o desemprego aumentou. O desemprego juvenil e o subemprego se tornaram endêmicos.

Nos Estados Unidos, os enormes déficits comerciais em petróleo e com a China estão desacelerando o crescimento, ambos são causados por políticas governamentais. Com mais perfuração em águas profundas e uma melhor utilização do abundante gás natural, os Estados Unidos poderiam reduzir as importações de petróleo pela metade.

Quanto à China, os Estados Unidos poderiam tomar medidas contra a moeda subvalorizada da China e o protecionismo, mas não fazem nada. Consequentemente, o desemprego está emperrado acima de 8% e muitos graduados universitários estão esperando nas mesas ou nos balcões do Starbucks.

Para baixar o desemprego, a Grécia permitiu que os trabalhadores se aposentassem muito jovens e gastou muito em pensões e o governo gastava prodigamente em educação, saúde e outros serviços para criar empregos.

Nos Estados Unidos, os governos estaduais e municipais estão gastando muito na segurança social e pensões de funcionários. Os gastos do governo federal têm aumentado de forma permanente, sob o pretexto de estímulo temporário, para criar empregos no governo e subsidiar um sistema de saúde muito ineficiente. Os estados estão gastando muito em educação ineficiente, sistemas de trânsito e outros serviços e num vertiginoso mandato de assistência médica e benefícios de saúde para funcionários e aposentados.

O déficit federal disparou de 161 bilhões de dólares em 2007 para cerca de 1,3 trilhões e tem estado acima de 1 trilhão por quatro anos. Os Estados Unidos perderam sua valorizada classificação de crédito AAA e sua credibilidade continuará a cair se o enorme déficit federal não for reduzido. O presidente Barack Obama não tem um plano confiável para reduzir o déficit.

Enquanto a dívida federal e estadual se acumulam, a avaliação de crédito dos EUA continuará a ser rebaixada e os investidores permanecerão relutantes em possuir títulos norte-americanos sem receberem taxas de juros mais elevadas.

Como na Grécia, altas taxas de juros sobre a dívida pública conduzirão os governos federal e estadual à insolvência, ou o Federal Reserve terá de imprimir dinheiro para comprar títulos do governo que resultará em hiperinflação. O resultado seria a calamidade, de qualquer forma.

* Peter Morici é economista e professor da Faculdade Smith de Administração da Universidade de Maryland e um colunista amplamente publicado.


Extraído do sítio The Epoch Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário